O ódio à democracia


O Ódio à democracia – Jaques Rancière

Boitempo Editora – Tradução: Mariana Escobar

Data de Lançamento: 2005 – Minha Edição: 2019 – 125 páginas


Porque, ao redor do mundo aparentemente houve uma onda de gente sem noção, alguns burros outros nem tanto, sendo eleita e assumindo a liderança de países importantes no planeta? Foi o surgimento desta crise que este livro tentou diagnosticar, mal sabia o autor à época o quão piores as coisas ficariam nos 15 anos seguintes.

Relativamente curto, tem um pouco mais de 100 páginas, mas muito denso e não tão simples de ler. O autor, franco-argelino, vai desde a noções gregas de democracia e república até a contemporaneidade. Ele aponta como após o final da Guerra Fria a disputa entre democracia e o alegado totalitarismo dos países Socialistas tem fim, e inicia-se um debate interno dessas democracias vitoriosas. Começa a existir uma democracia “do bem” e uma “do mal“.

A do mal” é uma democracia coletiva, que lembraria um autoritarismo, em que as decisões devem dizer respeitos a todos os membros da sociedade – como em um exemplo que ele usa, a de uma campanha salarial de uma categoria, que afeta tanto todos que dependem daquele serviço quanto todos os trabalhadores da área. Enquanto isso, há a democracia “do bem“, em que as decisões são privatizadas. Inclusive as negociações trabalhistas, mantendo o mesmo exemplo. Cada um decide sobre tudo da sua vida em diálogos com outros indivíduos; a grande liberdade.

Isso floresce sobre a confusão e a substituição da noção de cidadão – que é coletiva, você faz parte de uma comunidade, com direitos e responsabilidades sobre ela – pela noção de consumidor – que é individual, você que decide usar determinados serviços, e seu elo é único com o prestador desse serviço.

Essa substituição é um tema importante para Hobsbawm neste obra.

Globalização, Democracia e Terrorismo

Eric Hobsbawm é conhecido por suas obras dedicadas às transformações que consolidaram o mundo burguês tal como conhecemos hoje; estudando o longo século XIX e o breve século XX. Mas o que será que ele conseguiu identificar do século XXI?

A volta é grande, mas fundamental para ajudar a explicar esse fenômeno dos governantes que governam aparentemente contra seus próprios países e suas instituições. Como é claramente o nosso caso, tal vimos no vídeo vazado por aqui há alguns meses da reunião ministerial do governo.

Esses anti-governos, que é o caso Bolsonarista, contam com aprovação de parcela expressiva da população no mundo todo. Por quê?

Nesta obra o que o autor aponta é uma porção de paradoxos: de um lado as classes dominantes acham que o mundo ficou democrático demais, lutando contra isso, e de outro, a maior parte dos dominados entendem a democracia, tal como conhecemos hoje (a democracia burguesa), sendo já algo viciado que pouco resolve seus problemas, não é democrática, no limite.

Os ataques são às instâncias coletivas: instituições, estatais, órgãos públicos, universidades, e outras, como disfuncionais, apelando à individualidade de cada um, que, sendo especiais, teriam direito a coisas melhores. E como, de fato, essas instâncias coletivas estão cada vez menos funcionais, o que é parte do esforço das classes dominantes de fazer a comunidade se tornar menos democrática – neste caso prejudicando seus direitos sociais e econômicos – a falsa crítica faz todo sentido.

Ou seja, os que acham que a democracia não é democrática o suficiente, buscam a salvação naqueles que acham que a democracia é democrática demais.

A solução para isso o autor não aponta, depende dos projetos políticos de cada corrente de pensamento. O importante é entendermos a crise para observar a necessidade de superação desse modelo de democracia que se tornou a forma hegemônica de governo no mundo após a 1991. Desta forma, evitar de cair em outro paradoxo: defender uma bandeira que ninguém mais acredita, nem nós mesmos.

Será que o Brasil realmente cabe em 513 deputados eleitos a cada 4 anos? Será que as grandes empresas devem ser administradas apenas pelos acionistas e diretores? Será que a imprensa deve ficar na mão de algumas famílias e as redes sociais controladas por uma única grande corporação?

Excelente (4,5/5)

Uma obra que é um verdadeiro farol para entendermos a crise política mundial. Uma discussão compacta mas muito densa sobre o esgotamento e contradições da Democracia Burguesa, atualmente a forma hegemônica de governo em todo o planeta. Esse esclarecimento todo tem um preço: é uma leitura dificílima.

Lendo reflexões como O Ódio à Democracia, os livros americanos para entender a mesma crise, tal como esta bobajada abaixo, ficam tão profundos quanto os comentários do Pelé na Copa de 94.

Como as democracias morrem

Contrabandeado como uma grande análise, é uma baboseira do início ao fim: as respostas que eles apresentam deveriam ser a partida da análise, para ir mais a fundo ou desconstruí-las. Ao contrário, o livro apenas endossa as explicações mais superficiais possíveis para a crise política mundial.

República e Democracia: é o trecho do livro que fará fumaça sair de suas orelhas. Partindo do exemplo das escolas, o autor detalhe a diferença entre esses dois conceitos. A república é a ausência dos títulos prévios para se governar – títulos nobliárquicos ou religiosos – criando uma noção de igualdade. Entretanto, para manter um nível hierárquico na sociedade, é preciso criar uma desigualdade entre os iguais.

Isso é possível ao fortalecer a igualdade. Não, não escrevi errado nem você entendeu errado. Numa sociedade de iguais, a forma mais eficiente de criar desiguais é fortalecer um certo aspecto da igualdade, ligado à individualidade.

Reduzindo cada membro da sociedade às suas características e posses, sem nenhum intermediário, ou seja, a tratar todos com igualdade no começo do processo (o que já é um avanço à monarquia). Incluindo seus laços familiares, experiências, habilidades e dons esse tratamento fariam se destacar os melhores; aqueles capazes de governar a República. Já a Democracia teria mais a ver com instrumentos capazes de garantir a igualdade ao final do processo (nas tomadas da decisão)

Nas escolas, como exemplo prático dessas diferenças, isso se traduz em currículos e metodologias iguais para todos os alunos como um ideal Republicano, com foco em formações técnicas. Enquanto um ideal Democrático seria o oposto, escolas adaptadas e com formações críticas.


Últimos posts

O Tempo em Marte

Na futura colonização de Marte, um importante líder sindical se alia a um mecânico na busca por desvendar a forma de usar um poder extraordinário que crianças autistas podem possuir.

1930: O Silêncio dos Vencidos

Um dos livros mais importantes sobre a história nacional, ele resgata o ano de 1928, quando os debates sobre Revolução eram intensos no país, mas foram completamente obscurecidos pelo triunfo da Revolução de 1930.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: