Arquivos: Resenhas Não Ficção


Tenentes

Sacrificando o conteúdo pela forma, o livro trata apenas da Revolta dos 18 do Forte, razoavelmente, e paulista de 1924, muito mal. Mas apenas o faz pinçando curiosidades sobre os eventos e envolvidos e criando até um texto agradável, mas despropositado.

Eichmann em Jerusalém

Uma das leituras mais fundamentais, e mais cansativas, do século passado: Hannah Arendt lança profundas controvérsias sobre o holocausto ao analisar a mediocridade de um de seus principais realizadores.

O Expresso Berlim-Bagdá

Um longo e enfadonho livro que toca apenas marginalmente em seu tema, e que é a cara da histografia americana: grandes nomes e grandes eventos, um atrás do outro em minuciosos detalhes.

Bandidos

O que Zorro, Lampião, Pancho Villa e os guerreiros haiduques da península balcânica tinham em comum? Eles eram “Bandidos Sociais”, personagens históricos analisados por Eric Hobsbawm nesta maravilhosa obra.

O Imperador

Através de dezenas de depoimentos de serviçais do palácio imperial da Etiópia, este livro contra o dia a dia de um dos grandes estadistas do século XX, Hailé Selassié – e, especialmente, suas contradições.

O Fim da História e o último homem

Com o final da Guerra Fria, a história teria acabado: não há alternativa para o capitalismo, que seria o estado final do desenvolvimento humano. É o que defende Francis Fukuyama nessa obra que não se trata mais do que uma propaganda, com todos os jargões neoliberais.

Brasil à parte

Composto por textos escritos por Perry Anderson a cada mudança de governo no Brasil – 1994, 2011, 16 e 19 – é uma obra genial de análise distanciada da nossa história recente.

Outubro

Em tom de um grande romance épico, China Miéville narra de forma muito agradável a maior revolução da história. Ou melhor, ele conta a história da Revolução de Fevereiro de trás pra frente.

Vaza Jato

É possível perceber a megalomania dos procuradores; acreditavam ser capazes de iniciar uma guerra civil, e jamais cogitaram estar errados. Ficaram meses atrás de uma fakenews por falta de uma “googlada”.

Operação Massacre

Em junho de 1956, um grupo de militares peronistas tentou derrubar a ditadura argentina; e a alguns quilómetros de distância 12 homens foram presos e executados como se fossem conspiradores. Essa história seria desconhecida não fosse este livro.

A Revolução Argelina

Em uma das independências mais duras da história, uma guerra civil de 7 anos sacudiu Argélia e França, que não quis abrir mão de sua principal colônia após perder quase todo o Império.

O ódio à democracia

A crise mundial das democracias representativas levou a um paradoxo: as pessoas acham que a democracia não é democrática suficiente, está viciada, portanto, elas depositam seus votos em quem fala contra a própria democracia.

A Era do Capital Improdutivo

Um raio-x do Capitalismo Tardio. Demonstra com muitos dados e rigor como atualmente a economia gira em torno da especulação: drenando dinheiro da produção de mercadorias e travando o desenvolvimento da humanidade.

Como as democracias morrem

Contrabandeado como uma grande análise, é uma baboseira do início ao fim: as respostas que eles apresentam deveriam ser a partida da análise, para ir mais a fundo ou desconstruí-las. Ao contrário, o livro apenas endossa as explicações mais superficiais possíveis para a crise política mundial.

Como mudar o mundo

Uma compilação de textos escritos por Hobsbawm ao longo de toda sua carreira que faz uma retrospectiva tanto das obras de Marx quanto da sua repercussão, nos séculos XIX e XX.

Quando acaba o século XX

Neste curto ensaio, a historiadora Lilia Schwarcz propõe que a atual pandemia mundial encerra o século XX. Partindo da obra de Hobsbawm, ela a ignora imediatamente depois, criando alguns problemas em sua análise.

A primeira geração dos FW na F1

A Williams foi a única equipe independente da Fórmula 1 que conseguiu se tornar a força dominante por vários anos. Entretanto, chegar ao topo do mundo na maior categoria do automobilismo não foi fácil, entre 1967 e 1977 a Williams correu com outros nomes e chassis emprestados. Uma história que vale a pena ser conhecida.

Sem lugar para se esconder

O livro que conta a reportagem e a investigação de Gleen Greenwald sobre a espionagem mundial promovida pela Agência de Segurança Nacional dos EUA e empresas de tecnologia americanas. Um dos principais alvos foi o governo brasileiro.

Territórios em Conflito

Por mais de trezentos de seus quatrocentos e tantos anos, São Paulo foi apenas uma vila muito pequena. Em um século ela explodiu e se tornou a quarta maior do mundo. Esse processo, como não poderia ser diferente, foi extremamente caótico e conflituoso.

No espelho do terror

O terrorismo é um fenômeno antigo, mas nos últimos anos adquiriu novas características. Ao invés de ataques à políticos ou instituições, os terroristas passaram a se focar no que fosse causar maior escândalo midiático. Por que? A moda por um tempo foi acreditar no “choque de civilizações”, mas neste livro, a resposta é exatamente a oposta: esse terrorismo moderno é a ocidentalização dessa ação.

%d blogueiros gostam disto: