O Boto do Reno


O boto do Reno: as histórias de um repórter de fórmula 1 pelo mundo – Flávio Gomes

Data de Lançamento: 2005 – Minha Edição: 2005 – 304 páginas


Poucas profissões fazem uma pessoa viajar tanto quanto um repórter da Fórmula 1, ou pelo menos, fazia antes das muitas facilidades das transmissões atuais. Neste livro, Flávio Gomes – repórter que cobriu a categoria in loco por quase 20 anos para a Folha de S. Paulo e a Jovem Pan – publica suas crônicas de viagens motivadas pela cobertura da categoria.

É realmente um livro de crônicas de viagens, pouco é o espaço para histórias da F1.

Ainda assim, sempre presente o interesse pelo automobilismo, aliás, é a principal característica do livro, é extremamente pessoal. Praticamente dá para ouvir a voz dele ao ler os textos. Eu já o acompanho a muitos anos e era bem familiarizado e gostei, mas é uma leitura bem seletiva; tem que haver sintonia com o autor.

Não é o caso de compartilhar de todos, mas é preciso pelo menos conhecer desde seus interesses e hobbies, passando pelo tipo de humor, que não está longe de ser ofensivo, mas tem suas peculiaridades, indo até a visão política – de esquerda.

Mas as crônicas são realmente fantásticas pela multiplicidade de destinos motivados pela Fórmula 1 e as anedotas, tanto da categoria, quanto das mudanças do jornalismo naqueles anos.

Bom (3/5)

Um livro extremamente pessoal. com o um espaço reduzido para histórias da fórmula 1, o autor conta mais de aventuras e experiências de viagens com um estilo muito próprio, é possível quase ouvir a voz dele ao ler os textos.

Autódromo de Aida: é uma das primeiras crônicas, mas uma das mais divertidas, contando sobre a cobertura do GP do Pacífico. Essa corrida diferente foi disputada apenas nas temporadas de 1994 e 1995, em um circuito longínquo no meio do nada, nas montanhas da província de Okayama, no Japão.

Foi construído por um bilhonário japonês onde havia antes um campo de golfe. Segundo o autor, no Japão, não há nada de maior ostentação que desperdiçar grandes terrenos. Mal sabia o ricaço que ele, e o Japão, seriam alvos de seu humor ácido.

Morte de Senna: a crônica mais longa é a última, destinada a contar como foi a cobertura do acidente fatal de Ayrton Senna, realizada por ele que estava no autódromo de Ímola.


Últimos Posts

O Tempo em Marte

Na futura colonização de Marte, um importante líder sindical se alia a um mecânico na busca por desvendar a forma de usar um poder extraordinário que crianças autistas podem possuir.

1930: O Silêncio dos Vencidos

Um dos livros mais importantes sobre a história nacional, ele resgata o ano de 1928, quando os debates sobre Revolução eram intensos no país, mas foram completamente obscurecidos pelo triunfo da Revolução de 1930.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: