Sliders – Dimensões Paralelas (2ª Temporada)

Um gosto amargo ao final desta segunda temporada: viver na pele as armadilhas da nostalgia é sempre desagradável. Já em apenas seu segundo ano, o seriado já exibiu fortes sinais desgaste. Trocando os pés pelas mãos, a produção teve uma inabilidade muito grande em criar novas realidades alternativas, e, em especial, saber articular as tramas nesses novos contextos imaginários.

É impressionante ver como uma primeira temporada virtualmente sem um único episódio ruim, se transformar numa bagunça de altos e baixos como os apresentados aqui em capítulos onde é completamente impossível compreender suas regras internas. Não há, também, nenhuma grande sacada ou alegoria política/social/histórica/cultural, como a sociedade matriarcal ou a dominada pelos nerds, como vimos antes.

Continuar lendo “Sliders – Dimensões Paralelas (2ª Temporada)”

Star Trek: Lower Decks (2ª temporada) – divertida, mas formulaica

Quando Lower Decks surgiu, foi uma grande inovação para a franquia. Pela primeira vez em quarenta anos, Jornada nas Estrelas se aventuraria novamente em séries animadas, mas de uma forma não-ortodoxa, em uma animação para adultos (um gênero, por sua vez, que está em alta nas últimas décadas sem muita inovação). De qualquer forma, era novidade para os trekkers.

A primeira temporada entregou algo totalmente novo, através de uma chuva torrencial de referências e um ritmo muito corrido. Problemas corrigidos, pelo menos em sua maior parte. Por outro lado, o formato narrativo não mudou e a experiência foi se tornando repetitiva ainda que divertida.

Continuar lendo “Star Trek: Lower Decks (2ª temporada) – divertida, mas formulaica”

Sociedade Paliativa

Sociedade Paliativa: a dor hoje – Byung-Chul Han

Tradução: Lucas Machado – Editora Vozes

Ano de lançamento: 2020 – Minha Edição: 2021 – 115 páginas


Ao entrar em qualquer igreja católica você encontrará, adornando toda a nave principal, imagens da Via Crucis, a jornada de Cristo em caminho a sua crucificação. Carregando muito significado para os católicos, representa a martirização de Jesus, a dor que ele sofreu pela humanidade. Durante quase dois milênios, para a sociedade ocidental a dor era algo central, considerada venerável e nobre.

A partir do que Hobsbawm chama de dupla revolução (a Revolução Francesa e a Revolução Industrial) esse ideal medieval de se entregar a dor começa a mudar de significado, mas ainda é central para a humanidade. A dor passa a ser disciplinada – há locais e momentos para sentir, sofrer ou aplicar a dor – e seu símbolo é heroico – o sujeito sente muito a dor, mas a supera e mantém seu caminho.

De acordo com o filósofo coreano radicado na Alemanha, Byung-Chul Han, na contemporaneidade nossa relação com a dor mudou completamente – agora a humanidade não quer nem mais ouvir falar em nenhum tipo de dor.

Continuar lendo “Sociedade Paliativa”

Jornada nas Estrelas: Strange New Worlds (1ª Temporada) – O Classic Trek de volta

Quando Star Trek: Discovery estreou em 2017 um gosto amargo esteve na boca da maioria dos fãs, mesmo para quem gostou, que foi meu caso, para além dos nomes, o seriado guardava pouca semelhança com aqueles que vieram antes. Especialmente nos visuais, e na linguagem narrativa. O tempo passou, algumas coisa foram corrigidas e Discovery se aproximou mais em umas coisas e menos em outras.

Com a chegada do segundo seriado da era contemporânea, chamada de Kurtzman Trek, Picard, a amargura ficou, na realidade, azeda. Muito irregular, as coisas, apesar de contarem com alguns dos mesmos personagens de 30 anos atrás, estavam ainda mais diferentes, em especial na narrativa. Nos últimos anos, as temporadas foram transformadas (e é uma forma hegemônica no entretenimento de massa) em filmes gigantes de 10 ou mais horas repartidos em segmentos.

Continuar lendo “Jornada nas Estrelas: Strange New Worlds (1ª Temporada) – O Classic Trek de volta”

Contra Amazon

Contra Amazon e outros ensaios sobre a humanidade dos livros – Jorge Carrión

Tradução: Reginal Pujol Filho e Tadeu Breda – Editora Elefante

Ano de Lançamento: 2019 – Minha Edição: 2021 – 301 páginas


Uma cena muito comum que cada vez mais parte corações é ver livrarias fechadas, desde as extintas livrarias de rua até as lojas de shopping. E nem estou indo muito longe, da livraria de uma rua florida em charmoso bairro com construções do XIX ou da Dom Quixote do Miguel de Laços de Família, falo mesmo das megastores como a FNAC da Paulista ou as redes Saraiva e Nobel nos shoppings da Zona Leste de São Paulo. Livraria se tornou um negócio inviável.

Continuar lendo “Contra Amazon”

Kenobi – 1ª Temporada – Um Livro do Universo Expandido em forma de série

Antes da compra pela Disney, tudo o que possuíamos eram exatamente os 6 filmes, o que constituía o chamado G-Canon (G de criado diretamente por George Lucas), tudo fora disso era considerado o Universo Expandido de Guerra nas Estrelas – a exceção do T-Canon, composto pelas séries animadas e algumas iniciativas multimídias como Shadows of the Empire ou Force Unleashed, mas isso é papo para outra hora. O C-Canon, o S-Canon e D-Canon compunham essa complexa teia de histórias de livros, jogos, cardgames e produtos licenciados. A LucasArts possuía um departamento chamado Holocron dedicado a manter um banco de dados e um cânon relativamente coeso das obras.

Continuar lendo “Kenobi – 1ª Temporada – Um Livro do Universo Expandido em forma de série”

Star Trek: Picard – 2ª Temporada – A queda de Q (e de uma série)

O inimaginável aconteceu: um imortal está para morrer. Em seu ato final, o onipotente Q decide, mais uma vez, bagunçar a linha do tempo e a vida de Jean Luc Picard, que tenta, pela segunda vez, viver sua aposentadoria. Depois de um início promissor, com uma linha do tempo alternativa onde a Terra se tornou os Estados Unidos da galáxia, poluindo, matando e conquistando todo mundo, a série foi só ladeira abaixo.

Supostamente devido à pandemia, o seriado quis economizar dinheiro em locações e efeitos especiais, e ainda preservar os atores mais idosos, como Patrick Stweart e John deLancie. Pura bobagem, Picard não teve uma temporada enxuta, como o final de The Expanse, pelo contrário. Aqui vimos uma temporada extremamente arrastada – vários foram os capítulos que não precisavam existir e vários foram os arcos repetitivos – que poderia ter metade da duração que teve.

Continuar lendo “Star Trek: Picard – 2ª Temporada – A queda de Q (e de uma série)”

O Tempo em Marte

O Tempo em Marte – Philip K Dick

Tradução: Daniel Lühmann – Editora: Aleph

Ano de Lançamento: 1964 – Minha Edição: 2020 – 315 páginas


Uma das coisas mais fascinantes de ler ficção científica do miolo do século XX, especialmente anos 60 e 70, é o quanto imaginava-se que seria rápido o desenvolvimento tecnológico da humanidade – especialmente em direção ao espaço. Aqui, nesta obra de Philip Dick, o cenário é a colonização de Marte no distante ano de 1994.

Longe de ser uma empreitada glamourosa e tampouco caótica; habitar o planeta vermelho na imaginação do autor revelou-se uma um atividade extremamente medíocre. Sem encontrar grandes recursos e nenhum perigo, a colonização atraiu pessoas que queriam fugir de vidas também medíocres na Terra; uma vez no planeta estrangeiro, tentaram se tornar relevantes de maneiras ainda assim ordinárias.

Continuar lendo “O Tempo em Marte”

1930: O Silêncio dos Vencidos

1930: o Silêncio dos Vencidos – Memória, História e Revolução – Edgar de Decca

Ano de Lançamento: 1981 – Minha Edição: 1994/(rein)2004 – 209 páginas


Caso você pegue um livro qualquer de história do Brasil, seja um livro didático de uso na escola ou algum panorâmico em qualquer tema nacional, história econômica ou cultural, política ou social, com certeza uma das divisões dos capítulos será antes de 1930 e depois de 1930. Não apenas por iniciar o governo de Getúlio Vargas, aquele ano é tido como um momento em a história brasileira tomou um determinado caminho do qual tudo o que veio depois só poderia ter acontecido devido aos seus eventos.

Continuar lendo “1930: O Silêncio dos Vencidos”

Sliders – Dimensões Paralelas (1ª temporada)

E se você pudesse viajar para diferentes mundos paralelos? O mesmo ano, a mesma Terra, mas em diferentes dimensões. Um mundo onde os russos dominam a América, ou um onde seus sonhos de ser um rockstar se tornaram realidade!” A abertura de Sliders contém uma narração (no caso esta é a da segunda temporada) que sumariza muito bem as possibilidades e aventuras a serem exploradas pelo seriado, produzido entre 1995 e 2000.

Ele chegou a ser cancelado pela Fox em 1997 mas foi comprado e revivido pelo canal Syfy e durou mais duas temporadas. No Brasil, ele foi dublado e exibido parcialmente no extinto canal USA, posteriormente reprisado por um curto período de tempo pelo próprio SyFy nacional (ainda se chamando Sci-Fi) nos anos 2000. Por aqui, ele acabou como os protagonistas, perdido no espaço-tempo, raros são os que se lembram dele.

Continuar lendo “Sliders – Dimensões Paralelas (1ª temporada)”

Jornada nas Estrelas: Discovery – 4ª temporada – This is Us no Espaço

Jornada nas Estrelas: Discovery


Já que a Discovery não conseguiu retornar ao seu tempo de origem, nossos heróis precisaram se estabelecer definitivamente como habitantes do século XXXII e também como membros da Federação em sua época de reconstrução. Agora eles participarão do combate a mais uma ameaça a Galáxia.

Continuar lendo “Jornada nas Estrelas: Discovery – 4ª temporada – This is Us no Espaço”

Guerras Híbridas

Guerras Híbridas: das revoluções coloridas aos golpes – Andrew Korybko

Tradução: Thyago Antunes – Editora Expressão Popular

Ano de Lançamento: 2015 – Minha Edição: 2018 – 171 páginas


Os últimos acontecimentos na Ucrânia só podem ser entendidos se remetermos, ao menos, até 2004, quando houve a chamada Revolução Laranja. Após o resultado das eleições presidenciais terem dado vitória a um candidato da situação, uma série de protestos irromperam no país alegando fraude, apesar de acompanhamento internacional do pleito, marcados pelo uso de adereços e itens laranjas. Depois de muita pressão, a eleição foi anulada e uma nova votação reverteu o resultado dando a vitória ao candidato da oposição – cuja campanha política era adornada pela mesma cor.

Esses eventos foram parte de uma seqüência de protestos ocorridos no entorno da Rússia na primeira década deste século. A Revolução Rosa na Geórgia, em 2003, a Revolução Tulipa no Quirguistão, em 2005, e a Revolução Jeans na Bielorrússia, em 2006, foram algumas outras mais relevantes do período e essa onda ficou conhecida como as Revoluções Coloridas. Ainda sem muito esforço, é possível traçar uma série de semelhanças com dezenas de movimentos, que as conectam à Primavera Árabe, a Junho de 2013, ou a uma segunda onda dessas manifestações – dentre elas, o Euromaidan, na Ucrânia em 2014.

Continuar lendo “Guerras Híbridas”

Jornada nas Estrelas: TOS – 3ª Temporada – Melhor, Pior, Essencial

Jornada nas Estrelas: A Série Original

Melhor Episódio

A Teia Tholiana – O trabalho de escolher um bons episódios aqui, infelizmente foi fácil, eram raros. Entre os melhores estão, certamente: O Incidente Enterprise, apenas a segunda e última aparição dos romulanos no seriado e contém uma trama muito interessante, entretanto, com notáveis problemas de roteiro, como esquecer de dar um nome à antagonista, uma das personagens mais relevantes que já apareceram no seriado.

Continuar lendo “Jornada nas Estrelas: TOS – 3ª Temporada – Melhor, Pior, Essencial”

Jornada nas Estrelas: TOS – Terceira Temporada

Jornada nas Estrelas: A Série Original

Continuamos sem muita cerimônias para falar do clássico dos clássicos; lembrando mais uma vez que a ordem de produção (S0XE0X) não é a mesma da ordem de exibição (que é a que é utilizada nos streamings atualmente).


S03E06: O Cérebro de Spock – Ah, o famigerado! Normalmente considerado o pior capítulo de toda TOS, ele faz jus à fama. A Enterprise é abordada por uma única invasora que foi capaz de deixar toda a tripulação desacordada e, enquanto isso, roubar o cérebro de Spock e fugir da nave.

Continuar lendo “Jornada nas Estrelas: TOS – Terceira Temporada”

Os sentidos do Lulismo

Os sentidos do Lulismo: Reforma gradual e pacto conservador – André Singer

Ano de Lançamento: 2012 – Minha edição: 2019 – 276 páginas


Pela primeira vez, ou melhor, “nunca antes na história desde país“, um governo de esquerda foi reeleito no Brasil, e reeleito mais uma vez, e reeleito de novo… um fenômeno único na história nacional. Apesar de candidaturas que se posicionavam à esquerda de outras concorrentes, o único presidente eleito com pautas, de fato, ligadas aos movimentos e reformas sociais no Brasil havia sido João Goulart – e eleito vice.

No mesmo ano da eleição de Lula, 2002, o jornalista André Singer – que viria a ocupar o cargo de secretário de imprensa da campanha e posteriormente da presidência – havia lançado um polêmico estudo onde apontava que, nas eleições de 1989 e 1994, quanto mais pobre o eleitor, mais identificado com a direita ele o era. Ninguém melhor que o próprio para tentar explicar como o Partido dos Trabalhadores conseguira reverter este quadro.

Continuar lendo “Os sentidos do Lulismo”