Movimento 78

Movimento 78 – Flávio Izhaki

Ano de Lançamento: 2022 – Minha Edição: 2022 – 182 páginas


A moda da tecnologia nestes anos mais recentes é a o uso da Inteligência Artificial para além do que se imaginava. Ao invés do uso mais “clássico”, referentes à otimização de trabalho ou tarefas, as IA estão sendo mobilizadas para funções “criativas”, consideradas pela filosofia ou ficção científica de até então, como as características fundamentais do ser humano, que nos distinguiriam tanto dos demais animais quanto das máquinas.

Nesta obra visionária e provocativa, o autor brasileiro projeta um futuro muito palpável, no qual uma Inteligência Artificial, cheia de personalidade, concorre à presidência de um país não especificado com a proposta de administrar a sociedade de maneira muito mais eficiente.

Continuar lendo “Movimento 78”

Justiça Ancilar

Justiça Ancilar – Ann Leckie

Tradução: Fábio Fernandes – Editora Aleph

Ano de Lançamento: 2013 – Minha Edição: 2018 – 381 páginas


Esta obra ganhou a tríplice coroa, o grand slam, o grand chelen, e todas as metáforas esportivas possíveis em seu ano de lançamento; prêmio Hugo, prêmio Nebula, BSFA, prêmio Arthur C. Clarke e prêmio Locus. O primeiro livro a ganhar todos esses prêmios ao mesmo tempo. O frisson foi grande por Justiça Ancilar. A história da Inteligência Artificial de uma nave buscando vingança, ou justiça, contra um poderoso Império Galáctico vive a altura?

Continuar lendo “Justiça Ancilar”

Babylon 5 (1ª Temporada) – Episódios


S01E01: Midnight on the Firing Line – Sem aviso prévio, a frota de Narn invade uma colônia agrícola dos Centauri, criando uma grave crise diplomática. Enquanto isso, estranhos ataques de piratas contra transportes cargueiros acontecem nas imediações da estação; um começo denso para uma série conhecida por sua temática complexa.

Uma teia de contextualizações e construção de mitologia própria é ativada neste episódio; e de forma bastante satisfatória é compreensível para nós. Rapidamente entendemos quem são os Centauri, os Minbari e os Narn e a posição da Terra nisso tudo. É incrível como em 40 minutos o capítulo consegue nos estabelecer bem naquele universo ficcional.

Continuar lendo “Babylon 5 (1ª Temporada) – Episódios”

Babylon 5 – 1ª Temporada – Uma Série Pioneira


O ano é dois mil duzentos e cinqüenta e oito, e o nome do lugar é Babylon 5“. Uma frase que causa arrepios em todos os fãs da Ficção Científica. Eu particularmente ainda era muito criança na época da exibição original da série, que veio por aqui no finado canal USA com uma grade irregular apenas aos sábados – o bom e velho sábado SciFi, no qual também acompanhei Sliders: dimensões paralelas – e não conseguia apreciar como deveria essa obra que acabou ficando perdida no passado do gênero.

Continuar lendo “Babylon 5 – 1ª Temporada – Uma Série Pioneira”

Cem anos de Solidão

Cem Anos de Solidão – Gabriel García Marques

Tradução: Eric Nepomuceno – Editora Record

Ano de Lançamento: 1967 – Minha Edição 2022 – 446 páginas


A pequenina vila de Maconco foi capaz de contar um dos maiores épicos da história da literatura mundial. Este singelo povoado fictício foi fundado por um aventureiro, José Arcádio, que casou com sua prima, Úrsula, fugindo de sua cidade natal ao lado de uma grande caravana; uma vez estabelecidos no local, a população cresce e aquela comunidade passa por uma parcela considerável de eventos da história colombiana, enquanto é “liderada” pela família Buendía durante um século.

Capaz de fazer uma concisão formidável de polêmicas e temas referentes à sociedade, política, cultura, comportamentos e tradições da sociedade colombiana (e latino americana no geral), não por caso, esta é uma das maiores obras-primas literárias da humanidade.

Continuar lendo “Cem anos de Solidão”

O golpe pelo baixo clero militar: a inovação bolsonarista

O clássico golpe de Estado, consolidado, em especial, na segunda metade do século XX, tomava forma através da figura de um general, marechal, generalíssimo, comandante, ou algo que o valha, com quepe do tamanho dos figurinos da Carmen Miranda assistindo a tanques, caminhões e soldados desfilando na frente do palácio presidencial.

Este é um cenário que talvez possa estar ficando no passado.

Continuar lendo “O golpe pelo baixo clero militar: a inovação bolsonarista”

O Banqueiro Anarquista

O banqueiro anarquista e outros contos – Fernando Pessoa

Ano de Lançamento: 1907 e 1922 – Minha Edição: 2015 – 90 páginas


Este é uma das raras prosas que Pessoa publicou em vida, e um curioso personagem. Detentor do talvez mais perverso meio de exploração capitalista, o protagonista deste breve conto é um banqueiro que luta contra o sistema – e não, não é o Eduardo Moreira. Além de O Banqueiro Anarquista, (1922) o pequeno livro também conta com outros duas estorinhas; o inacabado A Porta (1907) e o sombrio Um Jantar Muito Original (1907).

Continuar lendo “O Banqueiro Anarquista”

Os gregos acreditavam em seus mitos?

Os gregos acreditavam em seus mitos? Ensaio sobre a imaginação constituinte – Paul Veyne

Tradução: Mariana Echalar – Editora UNESP

Ano de Lançamento: 1983 – Minha Edição: 2013 – 205 páginas


A mitologia antiga, e a grega, em especial, é talvez o tema de História Antiga mais popular e que mais desperta interesse dos curiosos – afinal, ela é constantemente reciclada em filmes, jogos, desenhos, quadrinhos e etc. Esse uso indiscriminado dessas figuras é possível tão somente porque não há mais quem acredite mais nessas divindades. Entretanto, tamanho é o absurdo e a hipérbole envolvida nesses mitos que a questão passou a ser, quando é que alguém acreditou neles?

Uma resposta afiada seria que, hoje, acredita-se que a humanidade surgiu de um par de indivíduos criado do barro e que todas as espécies de plantas e animais do mundo esteve concentrada em um único barco; então por que não seria possível crer em Atena saindo da testa de Zeus?

Continuar lendo “Os gregos acreditavam em seus mitos?”

Estrela Vermelha

Estrela Vermelha – Aleksandr Bogdanov

Tradução: Paula Vaz de Almeida e Ekaterina Vólkova Américo – Boitempo

Ano de Lançamento: 1908 – Minha Edição: 2021 – 183 páginas


Dentro da Ficção Científica futurista temos dois grandes subgêneros, a Utopia e a Distopia; aquele que projeta o futuro melhor ou um futuro melhor em relação ao presente, e o outro que projeta um futuro muito pior que a contemporaneidade. Por motivos variados, o segundo é muito mais popular; afinal, é o que mais dá espaço para as críticas sociais, políticas, culturais ou econômicas as quais o autor quer denunciar. Tal, como, por exemplo, Battle Royale alerta para o autoritarismo do sistema educacional japonês no século XX.

Já a Utopia, muitas vezes classificada como um gênero ingênuo, sem muitos conflitos, características que são fundamentais para enriquecer uma estória, tem mais dificuldades para fazer sucesso. Notadamente ela surge quando há um contexto que permite pensar num futuro melhor; foi o caso de Jornada nas Estrelas: A Nova Geração, criada durante o final da Guerra Fria. Mais antiga que a Distopia, a Utopia nasceu no século XVI, no texto de Thomas Moore de mesmo nome, descrevendo um “não-lugar”, bom demais para ser verdade.

O gênero se transformou – criou seu oposto – e tomou forma em várias mídias e aplicações. Muitas vezes esses textos têm caráter de manifesto, de esperança, de encorajamento ou também de alertar que essa janela de oportunidade de criar uma sociedade melhor exige certas condições. Todas essas características estão presentes neste clássico escrito no clima da Primeira Revolução Russa, ou a Revolução de 1905, como costuma ser conhecida no ocidente.

Continuar lendo “Estrela Vermelha”

O Espírito da Ficção Científica

O Espírito da Ficção Científica – Roberto Bolaño

Tradução: Roberto Brandão – Editora Cia das Letras

Ano de Lançamento: 2017 (1984) – Minha Edição: 2017 – 182 páginas


A obra do escritor chileno Roberto Bolaño é extremamente complexa, são várias camadas, textos que se relacionam uns com os outros anos depois, personagens que são testes para outros, heterônimos e alter egos do autor surgem de supetão, linhas narrativas são inacabadas… tudo isso está presente neste livro aqui, um dos mais controversos do autor.

Escrito em sua juventude, entre 1980 e 1984, é considerado um texto “laboratorial” onde ele exercitou certas ideias e conceitos que seriam desenvolvidos de forma mais madura no auge de sua carreira. Não é certo que havia intensão dele em publicar esta obra, que foi editada postumamente, 13 anos depois de sua morte, em 2016.

Continuar lendo “O Espírito da Ficção Científica”

Andor (1ª Temporada) – A produção mais adulta de Star Wars

Star Wars sempre foi um blockbuster, apesar de nosso amor e posteriores desenvolvimentos dele, nunca houve muita profundidade em seu enredo e faltam alegorias sociais, culturais ou políticas mais ambiciosas, especialidades da Ficção Científica. Este, inclusive, é um dos pontos que pode ligar Guerra nas Estrelas mais à fantasia que à Ficção; a preocupação é mais em criar as regras daquele mundo fantástico – em especial o que é ligado à Força – que desenvolver, por exemplo, as questões sociais.

Inclusive, quando a Ameaça Fantasma apresentou um enredo mais complexo (e mais burocrático) “as taxas de comércio estão estrangulando a economia da galáxia“, dizia o letreiro inicial, isso foi fortemente rechaçado. O Episódio I tem seus graves defeitos, mas o plano de fundo envolvendo à Federação de Comércio, a República e Naboo é muito inteligente. Apesar de pontualmente algumas coisas aqui e ali, Star Wars só foi retomar um lado B, ou mais mundano, da Galáxia em Rogue One, o primeiro longa spinoff, e a única coisa boa que a administração Disney conseguiu levar as telonas.

Não é coincidência que os personagens e contexto escolhido para retomar uma obra de Star Wars sem nenhum Jedi sejam os mesmos daquele filme.

Continuar lendo “Andor (1ª Temporada) – A produção mais adulta de Star Wars”

A Revolução Colombiana

A Revolução Colombiana – Forrest Hylton

Tradução: Magda Lopes – Editora Unesp

Ano de Lançamento: 2007 – Minha Edição: 2010 – 191 páginas


Nestes últimos meses a política colombiana se tornou um destaque positivo, provavelmente pela primeira vez na história, ao eleger o primeiro presidente de esquerda do país; o antigo guerrilheiro do grupo M18, Gustavo Petro, chegou ao poder após uma eleição apertadíssima. O espanto foi generalizado, provavelmente pelo fato de, não apenas ter ganho a eleição em país no qual raríssimas foram as eleições livres, mas por ele ter chegado vivo até a posse.

O histórico de candidatos presidenciais assassinados Colômbia é extenso, passa da casa de dezenas. De fato, o nosso vizinho é o país mais difícil do mundo para ser um ativista; é o local em que mais militantes são mortos em todo o planeta. A tradição de violência política, é de longa data, e remonta, pelo menos, até a Guerra dos Mil Dias (1899 a 1902), entre o Governo Conservador e as Guerrilhas Liberais. Desde então, pouco, ou nenhum diálogo político colombiano conseguiu ser feito. Explicar o porquê desta característica tão particular de um país relativamente antigo e consolidado é o objetivo deste historiador estadunidense.

Continuar lendo “A Revolução Colombiana”

Jornada nas Estrelas: A Nova Geração – 1ª Temporada – Lista de Episódios

Para uma avaliação geral da temporada, os melhores episódios, os piores episódios e a lista dos mais essenciais, clique no link abaixo!

Episódios

S01E01 e 02: Encontro em Longínqua – O melhor filme que não foi filme de Jornada nas Estrelas. A Enterprise D recebe uma nova tripulação. Liderada pelo Capitão Picard, ela precisa ir até Longínqua receber o resto dos oficiais, que estão com severas desconfianças do local. Entretanto, no caminho, a nave é capturada por uma entidade com poderes divinos conhecida apenas como Q.

Continuar lendo “Jornada nas Estrelas: A Nova Geração – 1ª Temporada – Lista de Episódios”

Jornada nas Estrelas: A Nova Geração – 1ª Temporada – Perestroika e Caos na Ponte

Jornada nas Estrelas: A Nova Geração:

A segunda metade dos anos 80 foi um período de felicidade, a moda era a crença em um futuro melhor que não dava as caras havia muito. As mudanças na União Soviética a partir de 1985 colocavam paulatinamente um final na Guerra Fria; as ditaduras latino-americancas caíam uma a uma. Um mundo melhor, mais justo, igualitário e democrático parecia possível. Naquele curto período de tempo, os otimistas não esperavam não uma vitória do capitalismo e queda da URSS, mas sim o encontrar de um meio tempo entre a liberdade ocidental e a igualdade oriental.

Parecia ser (e foi) uma hora muito boa para reviver a Utopia Científica mais popular da TV; Jornada nas Estrelas retornou após 20 anos fora do ar. Também após 4 filmes bem-sucedidos – alguns mais, outros menos – e após um boom do gênero de Ficção Espacial após o sucesso de Guerra nas Estrelas, em 1977. Este conjunto de fatores proporcionou seu renascimento; ainda não-tão-triunfal entre 1987 e 1988.

Continuar lendo “Jornada nas Estrelas: A Nova Geração – 1ª Temporada – Perestroika e Caos na Ponte”