O fim da eternidade


O Fim da Eternidade. Isaac Asimov – Tradução: Susana Alexandria

Data de Lançamento: 1955 – Minha Edição: 2019 – 256 páginas


E se você tivesse controle sobre seu futuro? Observasse as possiblidades de suas decisões e sempre conseguisse corrigir os desvios, sua vida seria melhor ou pior? Mas e se outras pessoas tivessem esse controle sobre seu futuro, elas observassem as possibilidades e decidissem por você o que seria melhor para sua vida? E se a humanidade tivesse controle do próprio futuro? O que poderia ser evitado?

Essa cadeia de perguntas é a premissa desse romance do bom doutor, o soviético Isaac Asimov.

A humanidade desenvolveu não só a livre viagem no tempo, como o controle do tempo, que é exercido através de um grupo de “notáveis“, conhecidos como os Eternos, que analisa as possiblidades de cada decisão tomada e controla o futuro da civilização humana.

Disponível na Amazon.com

Uma das coisas mais interessantes, além das questões filosóficas também é a atenção dele com as questões operacionais de como funcionaria a “Eternidade”, a instituição que controla o futuro. Há níveis hierárquicos, rotinas, instalações, burocracia, tudo descrito para dar ainda mais verossimilhança àquele mundo, conseguimos imaginar exatamente como funcionaria.

As implicações de todo esse cenário, o que deixa-se de conquistar e viver com um futuro controlado para sempre ter o resultado menos tumultuado, são o que movem esta leitura rápida e agradável mas sem deixar de ser profunda, numa das melhores obras de Asimov, escrita ainda no início de sua carreira.

Excelente (5/5)

Um livro completo, no conteúdo, com questões filosóficas e extrapolações tecnológicas, e na forma, com trama evolvente e leitura agradável. envelheceu muito bem.

Conexões com outras obras: ao final, Asimov faz uma rápida conexão com seu universo ficcional principal, da série Fundação – cujas primeiras obras foram escritas contemporaneamente. O autor nunca confirmou exatamente, mas em um livro já tardio dessa série, Limites da Fundação, os Eternos são mencionados, finalmente conectando com uma produção dentro desse universo.

Adaptação para o cinema: houve um filme baseado neste livro, lançado na União Soviética em 1987. Foi uma obra bastante fiel com exceção do final, que não se passa nos anos 30 dos Estados Unidos, e sim na Alemanha de 1980, e tudo fica mais enigmático, sem fazer a conexão com as obras da Fundação.


Últimos posts

Jango e Eu

Uma parte das memórias do antropólogo, cobrindo sua relação com o presidente João Goulart e seus dias como Ministro da Casa Civil de Jango.

As Contradições do Lulismo

Publicado durante o processo que levou ao golpe de 2016, este livro apresenta – de forma um pouco amontoada e desordenada – estudos sobre diferentes contradições dos governos petistas para tentar explicar como foi possível sua queda.

O Jogador

O melhor jogador da Cultura, uma sociedade aparentemente utópica, participará do grandioso torneio de Azad, que define os rumos políticos de um poderoso e cruel Império Galáctico.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: