DIS 03×05: Morrer tentando

Jornada nas Estrelas Discovery – Terceira Temporada – Episódio 5


Mais uma vez sem rodeios, mostrando o equilíbrio entre tramas episódicas e um arco geral, Discovery já pula direto para o próximo destino apresentado: a sede da Federação e da Frota. Mas como já era de se imaginar, a recepção não é como eles esperavam. Neste momento, aliás, a série está numa encruzilhada: esta estrutura está se tornando repetitiva e previsível, a nave chega na nova localização e apesar de alguns bons sinais, logo tudo é frustrado levemente.

(Apesar da crítica, todavia, não sei como seria possível escapar disso. Talvez um capítulo que ocorresse o inverso, em que eles frustrem os outros, poderia ser uma saída.)

De qualquer forma, o diferencial está se tornando a forma como essa frustração ocorre. Em todos os episódios, com maior ou menor refino, o retrato dessas sociedades-que-não-são-bem-o-que-se-esperava é muito sóbrio, todas as vezes é possível entender porque aqueles personagens não estão se comportando como os heróis gostariam.

Aliás, um destaque para o resgate dos acordos temporais feitos após o enredo de Enterprise, ficando mais claro os impactos daquela trama para o futuro e o estranhamento que os viajantes podem causar naquele período. Gostei muito da opção de manter a Guerra Temporal como algo de domínio público no século XXXII.

Retornando às frustrações, o comando da Federação não se impressionou com a chegada da Discovery e foi necessário que a tripulação provasse seu valor em uma missão. Há alguns elos fracos no arco e nas coincidências que envolveram essa aventura, mas não comprometem o enredo como um todo.

Por outro lado, o debriefing que uma personagem faz com um especialista ficou muito lacunar, excessivamente misterioso e com um final em aberto; vamos torcer para isso se amarrar no final. Por enquanto, desembocou em mais um recurso repetitivo da temporada: o personagem em estado catatônico. Provavelmente haverá implicações referentes ao universo da personagem com a trama atual: o gancho temático é interessante, o recurso que ficou repetitivo.

Ao final, a missão que a Discovery enfrenta não teve muito em tensão, e sim um drama razoável mas importante para dar destino a uma personagem mais coadjuvante da tripulação. O que foi positivo por duas razões: primeiro para distribuir melhor a carga dramática do seriado e, segundo, porque fica cada vez mais incerto o retorno da nave para sua época.

Bom (3/5)

mais um capítulo sabendo dosar bem a natureza episódica de ST com o formato serializado mais moderno. o recurso narrativo de que o destino não era bem como o esperado vEm se tornando repetitivo, mas também continua com enredos bem sóbrios.

Frota Estelar: uma das naves vistas na sede da Federação foi a Voyager-J. Esta letra foi a mais alta já vista de uma mesma identificação de uma nave, ao lado da Enterprise-J, que serviu em algum momento do século XXVI. Também havia a USS Nog, que, confirmado pelos produtores, foi nomeada em homenagem ao personagem de DS9, que aparentemente teve um futuro muito promissor após o seriado.

DNA do mal: durante o interrogatório de Georgiou, é revelado que, durante pesquisas séculos atrás, descobriu-se um componente genético nos terráqueos do Universo Espelho; o que explicaria o comportamento malígnos dos habitantes do nosso planeta por lá.


Jornada nas Estrelas: Discovery – Terceira Temporada


Além dos comentários, uma pergunta: o que acharam da explicação genética sobre o comportamento dos terráqueos do universo espelho?

Últimos posts

O Tempo em Marte

Na futura colonização de Marte, um importante líder sindical se alia a um mecânico na busca por desvendar a forma de usar um poder extraordinário que crianças autistas podem possuir.

1930: O Silêncio dos Vencidos

Um dos livros mais importantes sobre a história nacional, ele resgata o ano de 1928, quando os debates sobre Revolução eram intensos no país, mas foram completamente obscurecidos pelo triunfo da Revolução de 1930.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

2 comentários em “DIS 03×05: Morrer tentando

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: