DIS 03×12: Há uma maré…

Jornada nas Estrelas: Discovery – Terceira Temporada


O confronto final da temporada de Discovery está em curso quando as forças da Corrente Esmeralda, infiltradas na nave, invadem o quartel-general da Federação neste agitado episódio.

O capítulo começa com um justificável deus ex machina: a súbita capacidade de uso dos túneis de transdobra, fazendo com Michael e Book cheguem na nave instantes antes da invasão. A partir daí, com uma grande escrita de roteiro, os desdobramentos se dão em três núcleos diferentes, articulados a partir desse evento.

Como de costume, o de Michael se torna o mais emotivo, especialmente ao final, mas numa direção contrária ao que normalmente ocorre. Ela toma decisões mais sóbrias e frias, o que sempre é interessante. Um outro destaque é sua primeira incursão de ataque, cujo resultado é um excelente exemplo de subversão de expectativas, algo na moda, sendo realizado de uma forma suave – sem cair na “marvelização” da coisa, com uma tiradinha ou com tudo dando errado.

Book vai ao encontro (forçado) do resto da tripulação, mantida prisioneira. E, com eles, passa a armar o principal plano de retomada da nave. Há bons momentos de ação e drama neste núcleo, entretanto, com ele ficou preso o dilema da Discovery estar sendo comandada por uma oficial de baixa patente. Por alguns momentos, é preciso apontar o porquê Tilly está no controle da nave – arco que mais uma vez é muito frágil. Todavia, o retorno de um vilão prévio, relacionado com ela, é bem legal.

Enquanto isso, o terceiro núcleo é o “ataque” de Osyraa à Federação, que passa a ter outros contornos após ser frustrado logo no começo do episódio. Provavelmente é o que mais dará polêmica já que a política é mencionada diretamente, quando a Corrente Esmeralda é associada ao capitalismo e a Federação ao anticapitalismo. A abordagem da Corrente Esmeralda, aliás, foi muito bem trabalhada neste capítulo, com a figura do cientista. Os vilões se tornaram mais tridimensionais, mais complexos, o que sempre é positivo.

Ao final, tudo vai se conectando em um episódio muito completo, e em uma grande preparação para o final da temporada.

Excelente (5/5)

Repleto de tensão e AÇÃO, consegue trabalhar muito bem a estória em três focos separados mas interligados; e deixando o terreno muito bem preparado para a conclusão da trama.

Modo de Produção: o momento de maior polêmica é quando a Corrente Esmeralda é associada ao capitalismo, e a Federação a algo diferente. Há uma freqüente confusão de capitalismo com comércio visando lucro, que é algo que também pode ser visto neste episódio. Para bom entendedor, desde a série clássica, mas em especial desde TNG, sempre esteve claro que a Federação era anticapitalista.

O que definiria então a Federação não ser Capitalista?

Não é possível fazer um resumo do que um modo de produção aqui, mas em linhas muitos gerais, o regime político e econômico nesses termos tem mais a ver com o controle e o destino da produção das riquezas. No Capitalismo, a burguesia, a classe que controla a produção, produz o excedente para jogá-lo no mercado e obter a mais-valia do trabalho necessário para a produção dessas mercadorias a mais.

No caso de Jornada nas Estrelas o que rompe com essa forma de organização social é alvo de muitas teorias. Uma das mais importantes é referente ao acesso aos replicadores. Se os replicadores – que podem produzir de comida à vestimentas, de itens domésticos à peças mecânicas, através de antimatéria – são de “patente aberta”, qualquer cidadão da federação pode ter um gratuitamente, a produção para seu sustento é controlada por cada pessoa.

Se a produção de riquezas da Federação é em maior parte, pelo menos para o cotidiano, gerida (isto é, desde o controle realização até o controle da distribuição) pelas próprios cidadãos, o capitalismo perde o sentido. O excedente, se for produzido, será produzido de acordo com as necessidades dos cidadãos, não ficará a mercê do mercado ou da necessidade de obter mais valia.

Maré: o título é uma citação de uma peça de Shakespeare chamada A Tragédia de Júlio Cesar. Que, como o nome entrega, conta sobre a História Romana, mas focada mais no dilema de Brutus que se forçado a escolher entre seu pai (adotivo), César, ou a conspiração que busca assassina-lo. “A maré” é sobre Brutos identificar as movimentações da história pra se posicionar corretamente sobre os eventos.


Jornada nas Estrelas: Discovery – Terceira Temporada

Últimos posts

O Tempo em Marte

Na futura colonização de Marte, um importante líder sindical se alia a um mecânico na busca por desvendar a forma de usar um poder extraordinário que crianças autistas podem possuir.

1930: O Silêncio dos Vencidos

Um dos livros mais importantes sobre a história nacional, ele resgata o ano de 1928, quando os debates sobre Revolução eram intensos no país, mas foram completamente obscurecidos pelo triunfo da Revolução de 1930.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

2 comentários em “DIS 03×12: Há uma maré…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: