Balas de Washington


Balas de Washington: uma história da CIA, golpes e assassinatos. Vijay Prashad

Expressão Popular – Tradução: Rafael Tatemoto

Lançamento Original: 2020 – Minha Edição: 2020 – Páginas: 164


Por que nos Estados Unidos nunca houve um golpe de estado? Pois lá não existe embaixada americana.” É uma piada antiga que poderia ser muito bem a epígrafe deste livro, mas é lembrada em um ponto.

Lançado este ano, o subtítulo é autoexplicativo: uma retrospectiva de como os EUA foram destruindo países e movimentos sociais de maneira a atender seus interesses – isto é, de suas empresas e poderosos – por todo o globo. Um conteúdo de primeira, mas na forma achei um pouco confuso; está organizado em “partes” por eixos temáticos mas, também em progressão cronológica de certa forma, me pareceu sem uma linha muito direta do que leva onde. As vezes o texto parece andar em círculos, em outras desconectado, a impressão é de informações diversas compiladas.

Independente disso, uma leitura muito acessível – o autor é bastante didático em todos os momentos com linguagem convidativa – informativa – uma viagem por vários países – e chocante – em especial os trechos sobre o Haiti.

Devido a amplitude da proposta, achei o livro curto, aproximadamente 150 páginas. Ele não explica exatamente como as operações e golpes ocorreram, na maioria das vezes uma descrição panorâmica, de quem fez o quê quando. Informa, claro, mas especialmente em casos mais impactantes, há uma frustração de não saber mais. Pelo subtítulo, que pelo que pesquisei, é de autoria da tradução brasileira (uma bola fora da editora), imaginei que talvez houvessem mais detalhes ou descrições de bastidores, que aparece apenas em casos pontuais como Guatemala, Haiti e Indonésia.

De toda forma, é como um belo sumário das intervenções americanas nos últimos cem anos, o que é especialmente caro para o atual momento brasileiro de alinhamento automático aos nossos principais carrascos. (4/5)

MUITO BOM (4/5)

LINGUAGEM ACESSÍVEL E MUITO INFORMATIVO. MAS RESUMIDO DEMAIS PARA A PROPOSTA – O QUE PODE ATENDER QUEM QUER UMA LEITURA RÁPIDA.

República das ONGs: Entre as páginas 139 e 143, o autor descreve a situação Haiti nas últimas décadas. Após ser devastado por vários golpes de estado e desastres naturais, o Estado Haitiano praticamente deixou de existir. A “caridade internacional” passou a sustentar o país. Supostamente para facilitar a ajuda, o governo foi sucessivamente reformado para facilitar a atuação das ONGs, que não pagam impostos nem taxas de importação.

Devido à debilidade do Estado nacional, as ONGs passaram a fornecer os serviços básicos, desde educação, a saúde e alimentação. Com regimes especiais e subsídios aprovados pelo parlamento americano, as ONGs importam dos EUA tudo o que distribuem. Dessa forma, nada, nem alimento (ele cita em especial a produção de arroz), é produzido no Haiti. Isso faz com que o país seja cada vez mais incapaz de gerar empregos e arrecadação.

“Seja patriota, mate um padre“: este era o lema da extrema direita em El Salvador, durante os anos 70 e 80. Os clérigos da Igreja Católica no país eram muito ligados à Teologia da Libertação, levando a uma campanha de extermínio em massa de padres, feiras e ordenados em geral com requintes de crueldade. Tudo endossado, financiado e treinado pela CIA; um caso foi o estupro, tortura e morte de quatro freiras americanas, em 1980. O que levou ao rompimento das relações do país com o Governo Carter, reatado logo que Reagan assumiu o poder com uma injeção ainda maior de dinheiro.

Sobre o Autor: Indiano, esse é comunistão raiz. Comprometido em especial com a análise e combate às intervenções americanas e de demais potências nos países do terceiro mundo.

Últimos posts

O Tempo em Marte

Na futura colonização de Marte, um importante líder sindical se alia a um mecânico na busca por desvendar a forma de usar um poder extraordinário que crianças autistas podem possuir.

1930: O Silêncio dos Vencidos

Um dos livros mais importantes sobre a história nacional, ele resgata o ano de 1928, quando os debates sobre Revolução eram intensos no país, mas foram completamente obscurecidos pelo triunfo da Revolução de 1930.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

Um comentário em “Balas de Washington

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: