Quando acaba o século XX


Quando acaba o século XX – Lilia Moritz Schawrcz

Data de Lançamento: 2020 – Minha Edição: 2020 – 27 páginas


Uma coisa que nenhum historiador admite mas ama brincar, é de criar marcos cronológicos. Desde coisas cotidianas, como dizer que o fracasso da Copa de 2006 acabou com o estilo de Seleção brasileira clássica, até fazer isso profissionalmente.

O caso mais famoso e que fez referências que se tornaram consolidadas para historiadores do mundo todo é Eric Hobsbawm, que delimita o século XIX como o longo século burguês, de 1789 até 1914, e o breve século XX, de 1914 até 1991. Neste rápido ensaio, Lilia Schwarcz propõe apontar como a atual pandemia marcaria o fim do século XX.

Na realidade, o livro é menos uma análise e mais uma espécie de denúncia da forma pouco inteligente como a humanidade e o Brasil, em especial, está lidando com a pandemia e crises subsequentes. Neste sentido, um texto agradável, curto e louvável – inclusive por ser disponibilizado gratuitamente pela editora nas plataformas digitais.

Por outro lado, como análise, o ensaio é problemático e bem estranho em certos aspectos. Ela parte dos marcos de Hobsbawm para ignorá-los completamente logo em seguida, algo que salta logo de cara: o historiador britânico estabelece o século XX entre 1914 e já com final em 1991, na queda da União Soviética. Ela argumenta que o século passado é marcado pelos anos de 1918 até 2020.

Para além da “querela das datas“, isso é extremamente significativo: para Hobsbawm, o XIX foi o longo século burguês, de consolidação do atual sistema econômico, iniciado pelas Revoluções Francesa e Industrial, e o XX o breve século pois marca tanto a crítica como a derrocada da contestação desse mundo burguês. A Primeira Guerra Mundial, em 1914, inaugurando a carnificina em escala nunca antes vista, escancara as contradições que o aumento exponencial de produção gerava, e com ela vem a Revolução Russa, propondo com o Socialismo um novo mundo além do mundo burguês. O século vinte termina junto com a URSS, porque com ela acaba justamente com a grande contestação ao sistema burguês.

Para Schwarcz as contestações ao sistema nunca foram marcos.

Ela argumenta que o século XX foi o século da esperança na tecnologia como forma do desenvolvimento humano e apenas agora essa “verdade” está sendo questionada através do péssimo enfrentamento à pandemia. Isto é, toda a história do século XX, com suas guerras, conflitos, ditaduras, revoluções e Independências, fora então uma grande caminhada conjunta de melhoria humana no atual sistema após o desastre das guerras mundiais – por isso também ela altera o início de 14, começo da guerra, para 18, final.

Não é possível que uma intelectual de tamanho peso quanto ela tenha feito uma má interpretação de Hobsbawm; mas talvez se trate um forte posicionamento político.

Mediano (2,5/5)

Para além dos nobres propósitos de enfrentamento da crise deflagrada pela pandemia mundial, um ensaio problemático que parte de marcos que ela mesma ignora em seguida. Contendo uma mensagem chapa-branca revestida de crítica.

As Eras de Hobsbawm: a grande obra da vida do historiador foi sua coleção sobre as Eras, os três primeiros volumes escritos nos anos 60 e 70 focaram no longo século burguês. Contando como o mundo se transformou de uma organização feudal para uma capitalista; em a Era das Revoluções (1798-1848), a Era do Capital (1848-1875) e a Era dos Impérios (1875-1914). Com títulos bem explicativos, apresenta as revoluções que derrubaram o feudalismo, o desenvolvimento do capitalismo na Europa, e sua expansão mundial através dos Impérios Coloniais.

As Eras de Hobsbawm

O último volume, a Era dos Extremos (1914-1991), já foi escrito nos anos 90 meio que de improviso, no sentido de ser construído contemporaneamente aos acontecimentos (afinal, ele nasceu em 1917 e praticamente viveu todo o período) quando o autor avaliou que após a queda da União Soviética estaríamos entrando em outro século.

Últimos Posts

O Tempo em Marte

Na futura colonização de Marte, um importante líder sindical se alia a um mecânico na busca por desvendar a forma de usar um poder extraordinário que crianças autistas podem possuir.

1930: O Silêncio dos Vencidos

Um dos livros mais importantes sobre a história nacional, ele resgata o ano de 1928, quando os debates sobre Revolução eram intensos no país, mas foram completamente obscurecidos pelo triunfo da Revolução de 1930.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: