Territórios em Conflito


Territórios em Conflito. São Paulo: espaço, história e política – Raquel Rolnik

Data de Lançamento: 2017 – Minha Edição: 2017 – 278 páginas


Apesar de uma certa importância política em alguns momentos na colônia e no Império, São Paulo foi por 350 anos uma pequena vila, reduzida ao que ficou conhecido como o “triângulo” – região atual entre as estações Sé, São Bento e Anhangabaú. Foi apenas no século XX que ela cresceu como cidade, e, em menos de 100 anos, se tornou a quarta maior do mundo. Esse processo de crescimento tão rápido, como não poderia ser diferente, foi caótico e conflituoso e é isso que a autora aborda neste livro.

A obra é dividida em três partes bem distintas: a primeira é uma panorâmica rápida da história da (falta de) urbanização de São Paulo, falando sobre os primórdios da cidade, mas com maior foco no século XX; a segunda, textos de intervenção – ou seja, debatendo problemas contemporâneos, determinadas leis e obras, e tomando partido – escritos em veículos de imprensa entre 2011 e 2016, e é muito interessante como forma de ver “in loco”, vamos dizer assim, o trabalho do urbanista; a terceira, de textos acadêmicos de balanço e proposições para o futuro da Paulicéia.

Por vários séculos de sua história, São Paulo nunca passou do “triângulo”.

Pelo seu formato, são realmente panorâmicas sobre vários temas referentes ao urbanismo e história da urbanização, uma introdução às características da nossa cidade. E não teria como fazer de outra forma, afinal entender a tão bizarra malha urbana da maior cidade do hemisfério sul não é, nem de longe, um trabalho fácil. A leitura é muito rápida e agradável, e com linguagem muito acessível – exceto por um ou outro texto da terceira parte, que são direcionados ao público acadêmico.

Alguma ou outra coisa, como historiador, não concordo, como uma relação entre a deterioração do centro e a construção do metrô; outros momentos parece “ativismo sem causa”, como ser contrária às vagas de garagem em edifícios residenciais, mas, no geral, uma leitura fundamental para entender nossa cidade e seus problemas, e cobrar as soluções mais adequadas.

Excelente (4,5/5)

Uma excelente leitura introdutória, em um amplo sentido, sobre o urbanismo e sua história em são paulo, uma espécie de manual para todos que desejam pensar sobre nossa cidade. Em leitura agradável e acessível.

Cidades auto-construídas: este é um conceito chave para entendermos nossos principais problemas urbanos. Durante praticamente toda a história nacional, desde a colonização (aqui é uma herança portuguesa que percebemos facilmente ao compararmos às cidades dos nossos vizinhos) até a República Velha, as cidades cresciam sozinhas.

Isso é meio estranho, afinal como a cidade cresceria de outra forma? Mas é exatamente este o ponto, com a exceção de algumas poucas ações pontuais, nunca as cidade se preparam para crescer, elas simplesmente cresciam. Donos de grandes propriedades rurais próximas aos núcleos urbanos faziam seus próprios loteamentos e vendiam os imóveis, ou grandes empreiteiras compravam e elas loteavam de acordo com a especulação da região. Até por restrições tecnológicas, pouco havia de urbano nesses novos bairros, sem esgoto, água ou transporte.

Apenas na Era Vargas começou-se a pensar nessas periferias, mas opção foi integrá-las a partir das regularizações. Foi um ganho, mas uma medida provisória que tornou não só permanente como norteadora do crescimento urbano no Brasil, São Paulo em especial. E não é o caso apenas de favelas, há grandes bairros nobres na capital e demais municípios que cresceram assim, apesar das mordomias são bem pouco integrados. São Paulo é o sonho da urbanização Ancap tornado realidade.

Um caso extremo, como regularizar a favela Do Moinho, na Zona Oeste? É possível ter plenos direitos à cidade murando entre os trilhos dos trens?

Legislação que chega atrasada: algo que é do cotidiano de todas as grandes cidades do Brasil são as políticas de regularizações. Trata-se de integrar à cidade uma determinada região que antes estava a margem das políticas urbanas. Começando uma espécie de “perdão” das irregularidades que encontramos naquelas casas e ruas, ela então deve receber os serviços municipais; tais como água, luz, saneamento, coleta de lixo, transporte, correios e etc.

Embora aparentemente “democrático”, é uma prática catastrófica. Se por um lado as autoridades não multam a população e buscam oferecer serviços, elas também se eximem de prover a regularização verdadeira, tal como com pavimentação, criação espaços públicos, ou construção de conjuntos habitacionais, pro exemplo. No caso da urbanização brasileira, a presença do Estado sempre chega depois, os loteamentos e bairros novos só se tornam parte da cidade depois que estão construídos, e então corre-se atrás para integrar com o menor esforço possível o vizinhança ao resto da metrópole.

A regularização é uma espécie de eufemismo, pois o que ocorre não é reformar o bairro até atender às “regularidades” da cidade, e sim tornar seus problemas regularizados.

Últimos posts

O Tempo em Marte

Na futura colonização de Marte, um importante líder sindical se alia a um mecânico na busca por desvendar a forma de usar um poder extraordinário que crianças autistas podem possuir.

1930: O Silêncio dos Vencidos

Um dos livros mais importantes sobre a história nacional, ele resgata o ano de 1928, quando os debates sobre Revolução eram intensos no país, mas foram completamente obscurecidos pelo triunfo da Revolução de 1930.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: