ST Enteprise – 1ª Temp – Melhor, pior e essencial

Jornada nas Estrelas: Enterprise

Melhor Episódio

Caro Doutor – Como em outros momentos aqui também vale uma máxima que eu considero essencial à Ficção Científica, ainda mais a futurista, que é manter aquela obra (episódio, livros, games) relevante e ainda capaz de suscitar debates com o passar do tempo. Este capítulo já se encaminha aos seus 20 anos e não é raro encontrar algum discussões sobre ele em vídeos ou podcasts. Não há melhor reconhecimento.

Meus dois dedinhos de conversa sobre: eu particularmente acredito que Archer errou em seu julgamento. A princípio a idéia de que não deveriam intervir por conta da evolução das espécies e das sociedades daquele planeta é correta isoladamente – estaria completamente de acordo com a futura Primeira Diretriz, mesmo que isso significasse a morte de toda uma civilização. Entretanto, a Enterprise encontrou aquela situação através de um Valakian, uma cultura capaz de criar uma nave e buscar ajuda alienígena. Isso é um sintoma do desenvolvimento tecnológico daquela raça, nesse sentido, usando do mesmo argumento, foi a evolução que capacitaria àquela espécie sobreviver. Portanto, a interferência não seria externa àquele planeta e sim interna, fruto das próprias ações dos seus habitantes.

Mas o debate está aí, e daqui há mais 20 anos fãs retrô de Jornada nas Estrelas ainda discutirão sobre Caro Doutor.

Além deste episódio, Lutar e Correr é excelente, baseado nas dificuldades de tradução, uma temática exclusiva de ENT, mas sem em argumento mais conceitual de SciFi, e ficaria com o vice. Incidente Andoriano foi uma excelente introdução daquela espécie, uma pena que a cena final totalmente em computação gráfica datou o capítulo de forma irreversível. Sombras de P’Jem, sua seqüência é excelente, mas uma direção ruim comprometeu.

Fusão, mostrando a angústia de T’pol foi naquele segmento clássico da Ficção Científica como alegoria de problemas contemporâneos e acertou – seu ritmo, todavia, mais parado e muito centrado em uma única personagem, pode afastar algumas pessoas. De quebra ele ainda apresentou mais da mitologia vulcana, e a relação dos humanos com eles; temática também de Herói Decadente que balanceou de forma comovente esse desenvolvimento com tensão e ação. Méritos também de Onda de Choque I, que foi pautado por um crescendo de problemas enfrentados pela Enterprise.

Gostaria que fossem melhores: 1) Inimigo Silencioso, dois argumentos interessantes, mas um muito tenso e outro cômico, acabaram estragando um ao outro; 2) Mercadores do Espaço, não sei exatamente o quê, mas teve bons conceitos e argumentos sem conseguir empolgar; 3) Travessia do Deserto, não fossem as seqüências de sobrevivência dos personagens, seria um capítulo icônico.

Pior Episódio

Cápsula Auxiliar 1 – Muitos são os episódios que poderiam receber essa honraria às avessas aqui na primeira temporada de Enterprise. Mas este em especial há um destaque: além de ruim, praticamente não há argumento. Os outros que disputaram o título eram tão ruim quantos, mas tinham argumentos, premissas, com algum potencial.

O péssimo Terra Nova tinha um argumento condizente com a missão da Enterprise, inevitavelmente teria que visitar colônias primitivas dos humanos, entretanto, foi puro clichê do início ao fim e tudo muito pouco inspirado. Civilização tinha uma premissa razoável, antes da primeira-diretriz, um alienígena tira vantagem de uma civilização pré-industrial, entretanto, parece resgatado diretamente da gaveta das roteiros do anos 80.

Enquanto Planeta Errante chega ser tão ruim que acaba ganhando um certo charme, mas firme forte é o terceiro colocado desta lista (e o ódio é ainda maior por desperdiçar essa idéia do planeta perdido com uma estória como a dele). Oásis é o menos pior de toda a lista, ao apresentar uma “sociedade fantasma”, pena que é praticamente uma refilmagem muito inferior de um capítulo, então recente, de DS9.

Outro forte concorrente é Vox Sola, fica com o vice, ao jogar pela janela um alienígena interessante e um contexto legal, do mal-entendido primeiro-contato. Mas tudo acaba sendo resolvido por ações independentes dos nossos protagonistas emum roteiro muito mal escrito.

Todos eles, entretanto, apesar de péssimos, têm uma premissa minimamente razoável do ponto de vista de uma série de Sci-Fi. Capsula Aulixar 1 começa de um lugar comum: personagens presos num ambiente pequeno acabam se conhecendo melhor. As boas tentativas usam isso para revelar traços importantes deles, estreitar ou romper relações entre eles, e assim dar um significado àquela experiência.

Aqui, o bottle show, como são chamados esses tipos de episódios, além de uma premissa fraca (perderam o encontro com a nave) oscilou no tom: alguns momentos deveria ser cômico, outros dramáticos. Apresentando dois personagens como dois patetas que nos fazem questionar a capacidade da Enterprise em ter um oficial tático e um engenheiro como eles. Nenhuma experiência significativa eles passaram, não abriram intimidades, não houve desdobramentos… eles, e nós, perdemos tempo com um pequeno desengano dos personagens.

Os essenciais:

Uma temporada longa para os padrões atuais, com 26 capítulos, muitos sendo fracos, vamos tentar reduzir para 11 que você não pode perder.

Precisamos apontar logo de cara aqueles que são partes dos “subplots“, tramas de fundo que permeiam vários episódios, principais de Enterprise; as hostilidades entre Vulcano e Andoria, além da Guerra Fria Temporal – felizmente todos são muito bons e iriam para uma lista dessa de qualquer forma: Broken Bow (piloto), Incidente Andoriano (E07), Frente Fria (E11), Sombras de P’jem (E15), e Onda de Choque pt. 1 (E26).

Além deles, há outros que fazem referências a “sub-subplots“, tramas relacionadas as duas principais do seriado, que têm seus desdobramentos; a relação entre os humanos e vulcanos, aqui representado pelos ótimos Fusão (que levará a uma outra excelente continuação na segunda temporada), e Herói Decadente. Da mesma forma, um outro que tinha potencial mas foi esquecido, a relação entre os humanos e os sulibans, aqui abordado em Detidos, com uma pseudo-continuação em Travessia do Deserto.

Entre os episódios completamente soltos, temos Lutar e Correr e Caro Doutor que conseguem ter premissas muito interessantes que ao mesmo tempo, são intimamente ligadas ao contexto de Enterprise: as primeiras expedições humanas no espaço. Ambos capítulos exploram muito bem isso, o primeiro com a questão da tradução, e o segundo sobre a política de interferência – e claro que o este último é essencial assistir afinal é um dos episódios mais polêmicos de toda a Jornada.

E se você tiver um tempinho, pode dar uma olhada em Cães Adormecidos e Aquisição, que contando com espécies mais famosas do universo Trekker, os Klingons e os Ferengi, são capítulos com seu charme.


Broken BowMuito BomEssencial
Lutar ou CorrerExcelenteMelhores / Essencial
Explorar novos mundosMediano
InesperadoBomDaria uma chance
Terra NovaRuimPiores
O Incidente AndorianoExcelenteMelhores / Essencial
Quebrando o GeloRuim
CivilizaçãoMuito RuimPiores
Mercadores do EspaçoBom
Frente FriaMuito BomEssencial
Inimigo SilenciosoBom
Caro DoutorExcelenteMelhor / Essencial
Cães AdormecidosMuito BomDaria uma chance
Sombras de P’JamMuito BomMelhores / Essencial
Capsula Auxiliar 1HorrívelPior
FusãoExcelenteMelhores / Essencial
Planeta ErranteMuito Ruim Piores
AquisiçãoBomDaria uma chance
OásisRuim
DetidosMuito BomEssencial
Vox SolaMuito RuimPiores
Herói decadenteExcelenteMelhores / Essencial
Travessia do DesertoMuito BomEssencial
Dois dias e duas noitesMediano
Onda de Choque pt 1ExcelenteMelhores / Essencial

Jornada nas Estrelas: Enterprise


ÚLTIMOS POSTS

The Orville – 2ª Temporada

Mais coesa e organizada, a série teve um salto com relação a qualidade de seu humor, sempre cirúrgico. Mas isso, por outro lado, resultou numa temporada praticamente de um tema só: relacionamentos; virando quase uma Comédia Romântica no Espaço.

Tenentes

Sacrificando o conteúdo pela forma, o livro trata apenas da Revolta dos 18 do Forte, razoavelmente, e paulista de 1924, muito mal. Mas apenas o faz pinçando curiosidades sobre os eventos e envolvidos e criando até um texto agradável, mas despropositado.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

3 comentários em “ST Enteprise – 1ª Temp – Melhor, pior e essencial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: