Jornada nas Estrelas: TOS – 2ª Temporada – Melhor, Pior e Essencial

Jornada nas Estrelas: TOS – A Série Original


Esta segunda temporada da Série Clássica é, sem dúvidas, o ápice do seriado e talvez de todas as Jornadas nas Estrelas dependendo do seu grau de purismo. São poucos os episódios ruins e mesmo esses mais capengas têm elementos que salvam e poderiam ser bem utilizados em outras oportunidades.

É graças a esses 26 episódios exibidos entre 1967 e 1968, apesar da audiência abaixo do esperado, que até hoje assistimos e vibramos com a exploração espacial na TV.

Melhor Episódio

Reflexo no Espelho – Se criar um seriado que mesmo com pouca audiência na época, se mantém atual, conquistando fãs, rendendo novas séries, livros, mídias mesmo após sessenta anos já é um feito sem paralelo; que dirá um capítulo que ainda rende spinoffs até hoje? É o caso da primeira das histórias do Universo Espelho de Jornada nas Estrelas. Sua relevância não fica restrita a própria franquia, mas na Ficção Científica em geral e até mesmo em outros gêneros a idéia de um mundo paralelo com os protagonistas como vilões é utilizada ou parodiada com frequência.

E esta segunda temporada é repleta de episódios como esses que se tornaram icônicos e são revisitados constantemente em outros seriados: é o caso do Tempo de Loucura, que trás de volta o Pon farr para todos os personagens vulcanos até hoje; o Caminho para Babel, que recebeu uma homenagem de três partes em Enterprise; e Problemas aos Pingos, que foi utilizado no famoso crossover de Deep Space Nine.

Enquanto isso, a Arma do Juízo Final, ainda que solitário (em termos, pois a trama e os personagens são explorados a rodo no universo expandido, e ainda temos Will Decker) também é dos episódios mais intensos, tensos e marcantes do seriado. Destaque igual a Um Pedaço de Ação, que explora uma das violações, acidentais, da Primeira Diretriz mais interessantes de toda a Jornada.

Gostaria que fossem melhores – 1) Obsessão: Poderia ser mais focado na perseguição de Kirk à criatura com menos dificuldades paralelas. 2) Padrões de Força: gostaria que aquele planeta tivesse desenvolvido seu próprio tipo de fascismo e um diálogo final mais refinado com as conclusões da experiência. 3) Glória de Ômega: A trama do capitão exterminando os nativos atrás de uma fonte da juventude é ótima e deveria ter recebido um roteiro dedicado exclusivamente a isso. 4) Computador Supremo: O arco de Daystrorm é muito bom, mas uma reação mais refinada, sem apelar para a rebelião aleatória, do M5 era possível com alguns elementos fornecidos pelo próprio roteiro.


Pior Episódio

A Glória de Ômega – É difícil algum capítulo de uma série clássica como Jornada nas Estrelas conseguir reunir todos os elementos para ser desagradável tanto como obra em si e quanto envelhecer mal o passar do tempo. O episódio é uma bagunça, sequer lembra TOS; parece mais Túnel do Tempo ou Além da Imaginação. Temos três ou quatro argumentos caminhando juntos na mesma estória: a Primeira Diretriz, o Capitão caído, a brutalidade do explorador contra nativos e uma Terra pós-apocalíptica.

Esses três primeiros até caminham bem, e se focasse apenas na trama do capitão e o ataque aos nativos, seria um episódio dentre os melhores de todas as séries; mas, infelizmente, tudo desemboca numa conclusão absurda, em chauvinismo, numa mensagem racista e, surpresa, numa luta até a morte.

Além dele, temos O Fruto Proibido, que sempre figura nas listas de piores do seriado e com razão; o roteiro é bem confuso. Um paraíso num planeta em que qualquer coisa pode te matar, tudo parece apressado mesmo com 50 minutos de episódio, e para resolver, temos os protagonistas tomando decisões questionáveis uma atrás da outra; e coroando com uma analogia bíblica muito mal feita.

Em Jornada nas Estrelas não existe a tradição de episódios temáticos de feriados (holiday especial), como Natal, Ano Novo ou Dia das Bruxas, e temos uma possível raiz do porquê não aqui. O episódio é uma doideira só que até rende algumas cenas que se tornaram clássicas e divertidas, mas faz pouco sentido.

Ainda, Anos Mortais, é um suco da forma horrível como a sociedade americana tratava, e ainda trata, os idosos. Os personagens envelhecem e são tratados automaticamente como imprestáveis, muito débeis fisicamente e completamente senis. Ao invés de abordar uma discussão sobre o envelhecimento e confrontação com a morte, temos somente cenas dos personagens esquecendo coisas.

Por fim, Missão: Terra é uma perda de tempo, um episódio fraco preparando um spinoff que nunca aconteceu.

Os essenciais

Sendo o ápice da série, fica difícil criar um critério para separar capítulos que sejam mais necessários que os demais para quem desejar fazer uma panorâmica da segunda temporada. No caminho dos melhores e que geram referências nos demais seriados destacam: Tempo de Loucura, Reflexo no Espelho, O Caminho para Babel e Problemas aos Pingos. Todos apresentam elementos importantíssimos que são retomados frequentemente em Jornada nas Estrelas.

Nessa linha, ambos os capítulos antagonizados pelos klingons são interessantes (e são muito representativos das temáticas da Guerra Fria), O Sucessor e Uma Guerra Particular. Enquanto isso, a Arma do Juízo Final e Um Pedaço de Ação estão entre os episódios mais populares e com razão; um é uma obra prima e outro é ótimo e muito divertido.

Outros são, além de bons, capazes de aglutinar muitas características e toda a pegada da série; como Lamento por Adônis, A Síndrome de Imunidade e Pão e Circo. Enquanto isso, Eu, Mudd e Padrões de Força um pouco mais abaixo que esse, são interessantes, um para ver a presença desse personagem recorrente, e o segundo pelo argumento e para entender imagens dos personagens de Jornada nas Estrelas vestidos de nazistas que as vezes pintam pela internet.

Tempo de LoucuraExcelenteMelhores
Lamento por AdônisMuito Bom
NômadeBom
Reflexo no EspelhoExcelenteMelhores
Fruto ProibidoMuito RuimPiores
A Arma do Juízo FinalExcelenteMelhores
Dia das BruxasRuimPiores
Eu, MuddBom
MetamorfoseMediano
O Caminho para BabelMuito BomMelhores
O SucessorMuito Bom
Anos MortaisRuimPiores
ObsessãoBomDaria uma chance
Um Lobo entre cordeirosRuim
Problemas aos PingosExcelenteMelhores
Os Senhores de TriskelionMediano
Um pedaço de açãoExcelenteMelhores
A Síndrome de ImunidadeBom
Uma Guerra ParticularMuito Bom
Retorno ao AmanhãBomDaria uma chance
Padrões de ForçaBom
Por Qualquer outro NomeBom
A Glória de ÔmegaMuito RuimPiores
O Computador SupremoMediano
Pão e CircoMuito Bom
Missão: TerraRuimPiores

Jornada nas Estrelas: TOS – A Série Original


Últimos posts

Contra Amazon

Enquanto a Amazon expande cada vez mais seu modelo de negócio, baseado na impessoalidade, baixo preço e contato expresso, este escritor espanhol reúne textos seus para demonstrar como os livros são muito mais que mercadorias.

Publicado por Lucas Palma

Paulistano, desde que me lembro por gente fascinado pelas possibilidades do futuro, em games, filmes e seriados, herança paterna e materna. Para surpresa geral, ao final da juventude descobri fascínio também justamente pelo oposto, me graduando e mestrando em História, pela Universidade Federal de São Paulo. Sou autor de Palavras de Revolução e Guerra: Discursos da Imprensa Paulista em 1932.

2 comentários em “Jornada nas Estrelas: TOS – 2ª Temporada – Melhor, Pior e Essencial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: